Era uma vez um velho eremita que morava numa floresta com apenas um companheiro, um pássaro chamado cotovia.

Um dia dois mensageiros foram procurar o velho eremita para pedir-lhe que os acompanhasse ao palácio de seu amo, que estava gravemente enfermo.

O velho, seguido pela cotovia, partiu com os mensageiros e fizeram-no entrar imediatamente no quarto do homem doente.

Quatro médicos balançavam a cabeça, fazendo comentários em voz baixa entre si.

– Não há mais nada a fazer, murmurou o que parecia ser o mais importante.
““ Infelizmente, ele está morrendo.

O velho eremita, em pé junto í porta, observava a cotovia, que pousara no peitoril da janela e olhava fixamente para o doente.

– Ele vai viver, disse o eremita.
РMas como pode este campon̻s fazer uma afirma̤̣o dessas? Exclamaram os m̩dicos em coro.

O doente abriu os olhos, viu a cotovia olhando-o fixamente e esboçou um sorriso. Pouco a pouco a cor foi voltando ao seu rosto, suas forças retornaram e, para assombro de todos os presentes, disse:

– Estou me sentindo um pouco melhor.

Tempos depois, o nobre palácio, totalmente recuperado, foi í floresta para agradecer o eremita.

РṆo agrade̤a a mim, disse o eremita.
““ Foi o pássaro que o curou. A cotovia – acrescentou ele – é um pássaro muito sensí­vel. Ao ser colocada junto a uma pessoa doente, se ela virar a cabeça e não olhar para o doente, isso significa que não há esperança. Mas se olhar para o doente, como olhou para o senhor, quer dizer que o paciente não vai morrer. Na realidade a cotovia, através do olhar, ajuda a recuperação.

Assim como a sensí­vel cotovia, o amor da virtude não olha para coisas vis, sombrias, mas procura tudo o que é nobre e honrado. O pássaro habita o bosque florido, e a virtude habita o coração nobre.

O verdadeiro amor pode ser visto na adversidade. É como uma luz que brilha tanto quanto mais escura for a noite.

Leornado da Vinci
(Lendas: Amor da Virtude. H. 5 r.)



Deixe o seu comentário



1 Comentário para “A Cotovia”

  1. maria aparecidaguimarães bemfica Diz:

    gostaria de poder encaminhar essas coisas lindas dos grandes pensadores da humanidade para amigos, entretanto ainda que de domínio público não estão disponíveis para encaminhá-los como faço?